Preencha os campos abaixo para submeter seu pedido de música:

G.A.S minimiza prisão de Glaidson para conter fuga de investidores - Rádio Litoral FM


No comando: Madrugada Litoral

Das 00:00 às 06:00

No comando: Manhã Litoral

Das 06:00 às 07:00

No comando: Bom Dia Litoral

Das 07:00 às 11:00

No comando: Só se for Samba

Das 10:00 às 13:00

No comando: Rádio Show Litoral

Das 11:00 às 15:00

No comando: Sucesso da Hora

Das 13:00 às 14:00

No comando: Litoral do Seu Jeito

Das 15:00 às 18:00

No comando: Top World

Das 19:00 às 20:00

No comando: Balada Mix Litoral

Das 19:00 às 21:00

No comando: Litoral Light

Das 19:00 às 21:00

No comando: Domingo Litoral

Das 20:00 às 00:00

No comando: Disco Night

Das 20:00 às 22:00

No comando: Litoral na Pressão

Das 21:00 às 22:00

No comando: Love Times Litoral

Das 22:00 às 23:59

G.A.S minimiza prisão de Glaidson para conter fuga de investidores

Foto: Reprodução

Operadores da G.A.S tentam evitar uma debandada de investidores após a prisão, na manhã desta quarta-feira, de Glaidson Acácio dos Santos, pela Polícia  Federal durante operação Kriptos. Em mensagens nas redes sociais, o advogado da G.A.S, Victor Lemos, após a prisão, informa aos clientes que a empresa continua operando. Traders da G.A.S minimizam a prisão e garantem que o pagamento do dia 26 já está na conta dos investidores.

A operação Kriptos mobilizou cerca de 120 policiais federais para cumprir  sete mandados de prisão preventiva, dois mandados de prisão temporária e 15 mandados de busca e apreensão, nos estados do Rio, São Paulo, Ceará e no Distrito Federal.

Segundo a investigação, a G.A.S, é responsável pela operacionalização de um sistema de pirâmides, sem prévio registro junto aos órgãos regulatórios, vinculado à especulação no mercado de criptomoedas, com a previsão de insustentável retorno financeiro sobre o valor investido.

Glaidson foi preso num condomínio de luxo na Barra da Tijuca, no Rio onde a Polícia Federal encontrou  além de barras de outo, dólar e euros vários carros de luxo na garagem.

Ontem ele gravou uma mensagem pedindo aos sócios administrativos  para compartilhar nas redes sociais um vídeo em que nega que a empresa faça oferta pública e chama de “papagaios” críticos que se segundo ele, não entendem, de mercado financeiro.

Segundo a  Polícia Federal a operação, deflagrada, em conjunto com o GAECO/MPF e a Receita Federal, tem o objetivo de desarticular organização criminosa responsável por fraudes bilionárias envolvendo criptomoedas.

A empresa,  que prometia rendimentos de 10% ao mês, também é investigada por lavagem de dinheiro. A PF também esteve em diversos escritórios da cidade.

Segundo a investigação,  a G.A.S é responsável pela operacionalização de um sistema de pirâmides financeiras ou “esquemas de ponzi”, calcado na efetiva oferta pública de contrato de investimento, sem prévio registro junto aos órgãos regulatórios, vinculado à especulação no mercado de criptomoedas, com a previsão de insustentável retorno financeiro sobre o valor investido.

Os investigados poderão responder,  pelos crimes de gestão fraudulenta instituição financeira clandestina, emissão ilegal de valores mobiliários sem registro prévio*, organização criminosa e lavagem de capitais, e, se condenados, poderão cumprir pena de até 26 anos de reclusão.

Deixe seu comentário:

Curta no Facebook